Notícias

Planserv é tema de audiência pública na Assembleia Legislativa

27 de março de 2019

A atual crise do Planserv voltou a ser tema de debate ontem (26) em Salvador, desta vez, na Assembleia Legislativa da Bahia. O deputado Alan Sanches propôs uma audiência pública com o intuito de esclarecer os problemas do plano de saúde dos servidores estaduais, que, atualmente, conta com mais de 518 mil vidas. A discussão, que demorou mais de três horas e não contou com a participação de representantes do Planserv, nem do governo do estado, envolveu representantes do funcionalismo e das entidades médicas, além de 11 parlamentares e dois vereadores, incluindo o médico Cezar Leite.

Entre os questionamentos feitos pelos presentes, o real benefício da contratação de uma empresa para realizar a gestão do Planserv foi unânime entre os presentes. Presente na audiência, o corregedor do Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia (Cremeb), conselheiro José Abelardo de Meneses, informou que, ao invés de reduzir, as despesas do Planserv só aumentaram com a Qualirede. “Esses R$ 6 milhões que a Qualirede recebe mensalmente deveriam ser empregados na assistência. Nenhuma melhoria foi documentada até agora”, disse ele.

Representando o Cremeb, o conselheiro Júlio Braga (vice-presidente) afirmou que a única alternativa utilizada pela Qualirede para reduzir os custos até agora foi a instituição das cotas que limitam o atendimento, penalizando os usuários do Planserv, que atualmente arcam com mais de 80% dos custos do plano de saúde. “Hoje, podemos dizer que o Planserv é apenas administrado pelo Estado, que reduziu seu aporte anual de R$ 300 milhões para apenas R$ 100 milhões”, enfatizou Dr. Júlio.

O vice-presidente concordou ainda com a sugestão de um representante dos usuários que sugeriu retirar das mãos do governo a gestão do Planserv e repassar para os próprios servidores, a exemplo do plano de saúde dos servidores fiscais do estado (Asfeb Saúde).

Para o deputado Alan Sanches, o governo parece não se importar com o que está acontecendo com a saúde pública. “Não dá para fingir que não existe o problema. O problema é grave. Há três anos o Planserv era de excelência e hoje é difícil conseguir marcar até uma simples consulta”, discursou o parlamentar. Já o deputado José de Arimatéia classificou como “falta de respeito” o fato do governo não ter enviado à audiência nenhum preposto do Planserv.

A presidente do Sindicato dos Médicos (Sindimed), Ana Rita, e os representantes da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (Sibot), Flávio Santana, e da Associação Baiana de Medicina (ABM), César Amorim, estiveram entre os presentes na audiência.

 

Compartilhe: